Remédio genérico fica 49,5% mais em conta

medicamento_generico

Uma pesquisa feita pelo Procon-SP em dez drogarias distribuídas pelas cinco regiões de Ribeirão Preto mostrou que a diferença entre medicamentos de marca e os genéricos chega a 49,5% na cidade.

Ainda de acordo com o levantamento, feito entre os dias 5 e 7 de maio, nos medicamentos de referência, a diferença entre o maior e o menor preço foi de 101%. A caixa com 20 comprimidos de Rivotril de 2 mg, da Roche, custa de R$ 9,44 até R$ 19. O preço médio ficou em R$ 11,83.

Já entre os medicamentos genéricos, a maior diferença de preço encontrada foi na dipirona sódica de 500 mg/ml em gotas. O maior valor foi de R$ 9,54 contra R$ 1,10 na drogaria com o menor valor.

Segundo o Procon, vários fatores são determinantes de preço nesse segmento. “A aplicação de descontos pode variar de acordo com as condições locais de mercado, rentabilidade da loja, condições de compra”, explicou o órgão.

Ainda segundo o Procon, há algumas redes que trabalham no sistema de franquia, não havendo uma política única de preços.

Interior

Entre as cidades do interior participantes da pesquisa, a maior diferença encontrada foi de 910%, no medicamento genérico Nimesulida, 100 mg, 12 comprimidos, na cidade de Bauru. Em um estabelecimento ele custava R$ 1,77 e em outro, R$ 17,88.

Nos medicamentos de referência, a maior variação também foi em Bauru. O Fenergan (Cloridrato de Prometazina), 25 mg, 20 comprimidos, da Sanofi – Aventis, apresentou variação de 397%. O custo variou entre R$ 2,00 e R$ 9,94.

A média dos preços dos genéricos em comparação aos de referência, nos municípios paulistas, teve a maior diferença, 60,56%, detectada em Santos. A menor diferença foi encontrada em São José do Rio Preto, 46,54%. A pesquisa foi realizada em maio e envolveu em 98 farmácias e drogarias de 12 cidades do interior paulista.

Fonte: Sincovarp

 

Comments are closed.